HomeA ParóquiaNossa História

Nossa História

Na época das grandes navegações, antes de saírem enfrentando os mares desconhecidos, os viajantes participavam da Santa Missa pedindo a intercessão de Nossa Senhora para enfrentar os perigos.

Inúmeras invocações eram gravadas nas proas dos barcos e alguns levavam consigo uma imagem da Mãe de Deus sob o titulo de Rainha dos Mares, e quando os portugueses chegaram ao Brasil, a devoção surgiu como “Nossa Senhora dos Navegantes” ou “Nossa Senhora da Boa Viagem”.

As margens da represa Billings, em meados dos anos 50, no que era conhecido como “Baía do Eldorado”, os pescadores começaram a fixar residência devido à atividade da pesca. Assim o lugar passou a ser freqüentado por turistas e a ser centro de atividades náuticas.

A população foi aumentando e a devoção a Nossa Senhora dos Navegantes se expandiu pelos moradores, sendo assim, decidiram construir uma pequena capelinha dedicada a Mãe de Deus, e para obterem recursos, criaram uma festa anual que possibilitaria a arrecadação desses valores.


Nasce em vinte e sete de dezembro de mil novecentos e cinqüenta e três a capelinha sonhada e idealizada pelos devotos de Nossa Senhora dos Navegantes, sendo inaugurada pelo então bispo auxiliar de São Paulo, Dom Paulo Rolim Loureiro.

Como a diocese de Santo André ainda não tinha sido criada e a região do ABC pertencia a Arquidiocese de São Paulo, o atendimento espiritual da capela era realizado pelos padres Capuchinhos, principalmente pelo Rvmo. Pe. Frei Acácio M. de Porangaba, após alguns anos, a capela passou a ser atendida pelos padres Xavenianos.

Com o crescimento da população no agora bairro Eldorado da cidade de Diadema, Dom Jorge Marcos de Oliveira, bispo da Diocese de Santo André, decretou a criação da paróquia Nossa Senhora dos Navegantes, em dezenove de março de mil novecentos e setenta e quatro, e no mesmo dia, nomeou o Rvmo. Pe. Frei Ambrósio de Oliveira Luz como primeiro Vigário Ecônomo, do qual ficou a frente da paróquia durante pouco mais de três anos.

Estando com a saúde debilitada, Pe. Frei Ambrósio pediu renuncia da paróquia, sendo nomeado Rvmo. Pe. Frei Raimundo de Carvalho como responsável paroquial, do qual permaneceu pelo período pouco maior há um ano.

Vendo a necessidade de um padre fixo na paróquia, o então bispo diocesano, Dom Claudio Hummes, nomeou em vinte e sete de janeiro de mil novecentos e oitenta, o Rvmo. Pe. Manoel Parrado Carral como Vigário Cooperador da paróquia, tendo como auxiliar o até então seminarista do terceiro ano de teologia, José Ferreira, do qual foi ordenado diácono e posteriormente presbítero, permanecendo assim como vigário paroquial. Ao mesmo tempo que estavam na paróquia Nossa Senhora dos Navegantes, ambos desempenhavam os trabalhos na paróquia Imaculada Conceição, matriz da cidade de Diadema.


Infelizmente, em meados do mês de outubro de mil novecentos e oitenta e um, Pe. Frei Ambrósio faleceu num trágico acidente de carro, juntamente com outros confrades, sensibilizando assim toda a paróquia.

Como todos os anos, a festa de Nossa Senhora dos Navegantes acontecia sempre no inicio do mês de fevereiro, mas por diversas questões pastorais inclusive pela festa não ter mais caráter inteiramente religioso pela parte de seus organizadores e após várias reuniões com a prefeitura da cidade e os demais padres da região, a festa tradicional com procissão náutica deixou de existir, permanecendo a missa solene e os preparativos como novena e/ou tríduo.

Após visita pastoral realizada em dezessete de maio de mil novecentos e oitenta e três, viu-se a necessidade da construção de uma capela para facilitar os trabalhos pastorais, nascendo assim o projeto da construção da capela São José.

Para começarem os trabalhos em outro lugar, em vinte e três de fevereiro de mil novecentos e oitenta e seis, Pe. José Ferreira, hoje mais conhecido como “Pe. Zezão”, pároco da paróquia São Paulo Apóstolo no Zaíra -  Mauá e Padre Manuel, atual bispo diocesano de São Miguel Paulista, se despedem de nossa paróquia.

Ficando vacante por pouco tempo, Dom Cláudio nomeou ao mesmo tempo os Rvmos. Pe. Paulo Bezerra como pároco e Padre Airton José dos Santos como vigário paroquial, ambos na paróquia Nossa Senhora dos Navegantes e Imaculada Conceição de Diadema.

Como Pe. Airton, hoje Bispo Diocesano de Mogi das Cruzes, dividia seus trabalhos como formador do seminário de filosofia da diocese de Santo André, Dom Cláudio nomeou o recém ordenado Rvmo. Pe. Odair Ângelo Agostín como vigário paroquial de ambas as paróquias.

Durante a crisma de setembro de 1990, Dom Claudio dá posse como pároco da Paróquia Nossa Senhora dos Navegantes ao Pe. Odair, substituindo assim o antigo pároco, Pe. Paulo, atual pároco da paróquia Nossa Senhora Aparecida, bairro Alves Dias em São Bernardo do Campo.

Iniciando seus trabalhos como responsável pela paróquia, Pe. Odair terminou a construção da capela São José e providenciou a construção das demais: Nossa Senhora Aparecida e São Judas Tadeu e resgatou a festa tradicional de Nossa Senhora dos Navegantes, agora com cunho inteiramente religioso.

No ano de 1993, deram-se inicio as reformas da Igreja Matriz, derrubando a antiga e construindo a atual. Com o passar dos anos, foram construídas várias creches em comunhão com a prefeitura e a Associação Dom Décio Pereira, visando atender aos diversos trabalhos sociais vinculados a paróquia.

Nossa paróquia também tem a alegria de ter algumas vocações como frutos dos trabalhos pastorais, sendo elas todas sacerdotais em nossa diocese. Padre Herculano, atual pároco da paróquia Santa Maria Goretti, Santo André e diretor da Casa de Formação Propedêutica; Padre Alexandre, atual pároco da paróquia Nossa Senhora Aparecida, Mauá; Padre Cícero, atual vigário da paróquia Imaculada Conceição, Matriz Diadema.

Caminhamos agora rumo ao nosso ano jubilar, oportunidade essa de celebrar com grande alegria os sessenta anos da inauguração da antiga capelinha e quarenta anos da criação da paróquia. Graça e Paz da parte de Deus pela intercessão de sua mãe, a Mãe dos Navegantes.

Texto de Diogo Tavares (Integrante da Comissão do Jubileu da Paróquia)

Topo